Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Nu descontexto

Neste tão vasto espaço recomeço as minhas histórias, as imagens e mensagens que passam por mim. Desejo partilhar este blog com quem quiser dispensar um pouco do seu tempo para amar comigo tudo.

Nu descontexto

Neste tão vasto espaço recomeço as minhas histórias, as imagens e mensagens que passam por mim. Desejo partilhar este blog com quem quiser dispensar um pouco do seu tempo para amar comigo tudo.

O fantástico mundo das lavandarias self-service

Desde que descobri que existem e que "frequento" o seu espaço sinto-me projectada a alta velocidade para um filme francês. Não sei porquê, talvez porque ache a língua extremamente sexy assim como o ato de secar roupa nestes sítios. Pomos a moedinha e lá gira a maquina, como se dançasse. Parando e acertando o passo... E nós, sim porque raramente vou sozinha, sentamo-nos a ver o tempo passar no visor. Chego a ficar com náuseas de a ver rodar com a minha segunda pele dentro, que sairá seca e pronta para me aquecer. Uma das coisas boas do Inverno é isto, secar a roupa numa lavandaria. E vocês riem, mas eu gosto!  Lá sou de tudo. Estrela de cinema que vive nos subúrbios de uma grande cidade com uma casa pequena que não tem espaço para um secador, até a uma personagem principal de um livro que usa aquele espaço para namoriscar. Como namoro lá! Vemos as nossas roupas balançarem de um lado para o outro, dobramos com todo o carinho uma a uma. É um ritual que nos aproxima. As tarefas domesticas aproximam os amantes, mas só descobri graças a estas maquinas.  Ah! Também já lá escrevi, tem wi-fi e bancos para os viajantes se acomodarem ao som da dança. Conhecem-se pessoas, ouve-se um "bom dia", "boa tarde" e "boa noite". Desde que tenhamos roupa molhada, nunca se está só. Esta noite será assim. Um negocio para alguns, mas para mim um sitio que apela à fantasia de uma rodagem de cinema.

image.jpg